Santo Antão

Também conhecido como “Santo Antônio do Deserto”, ele poderia ser chamado de “São Francisco do Oriente”, pois teve uma trajetória de vida semelhante à de São Francisco de Assis.

Nascido na cidade de Conam, no Egito, por volta de 251 d. C., era o filho mais velho de uma família rica. Seus pais eram proprietários de terras e ele tinha apenas uma irmã.

Quando tinha vinte anos, seus pais faleceram e ele herdou uma grande fortuna. Herdou também o dever de cuidar de sua irmã. Ao participar de uma missa nesse tempo ouviu o grande chamado de sua vida, retratado nas palavras de Jesus ao Jovem Rico: “Vende os teus bens, dá aos pobres e terás um tesouro nos céus. Depois, vem e me segue”. O jovem Antão sentiu em seu coração que essas palavras era especialmente dirigidas a ele naquele momento e decidiu obedecer.

Sabendo da vocação religiosa de sua irmã, ele a levou para um convento, onde ela entrou com toda a alegria. Em seguida, Antão vendeu todos os bens herdados de sua família, distribuiu tudo o que conseguiu aos pobres e se retirou para uma região desértica perto de sua casa.

Antão passou a viver ali uma vida de oração e penitência, dedicando suas energias físicas, mentais e espirituais ao Senhor Deus. O povo, porém, ficou sabendo do “Santo que morava no deserto” e muitas pessoas começaram a procura-lo para pedir orações e orientação. Antão atendia a todas, dando conselhos cheios de sabedoria que transformavam os corações.

Logo sua fama se espalhou e o povo começou a procura-lo em demasia. Por isso, ele se afastou para uma região mais longínqua, onde encontrou uma caverna natural e viveu ali durante dezoito anos. Foram anos totalmente dedicados a Deus.

Na caverna, Santo Antão praticou mais ainda a oração e a penitência. Fazia jejuns prolongados e grandes sacrifícios. Aprimorou-se no encontro pessoal com o Senhor na oração e nas Escrituras. Por outro lado, atiçou a ira do demônio, que o atacava muitas vezes tentando fazer com que ele desistisse de sua busca espiritual.

Santo Antão, porém, não desistia e insistia mais ainda nas orações e nos sacrifícios, vencendo todas as batalhas pela força do nome de Jesus a quem ele amava. Por isso, mesmo estando longe da civilização, ele reuniu um grande número de discípulos, todos desejosos de trilhar a vida espiritual que Santo Antão descobrira com o auxílio da graça de Deus. Por esta razão, Santo Antão é chamado de “Pai dos monges cristãos”.

Por volta de seus cinquenta e cinco anos, já maduro na vida espiritual, um de seus discípulos, inspirado por Deus, pediu que ele abandonasse o isolamento do deserto para o bem da Igreja. Santo Antão viu nesse pedido um chamado de Deus e atendeu. Assim, nasceu uma forma diferente de vida monástica: cada discípulo vivia sua vida em sua cabana, mas recebia orientação direta de Santo Antão. Antão conhecia a todos e orientava a cada um em particular.

A fama de sua santidade e sabedoria espalhou-se pelo mundo. Por isso, de todas as partes vinham homens sedentos de vida espiritual, querendo ser discípulos do grande santo.

É impressionante o fato de que, mesmo vivendo no deserto, Santo Antão era bastante atualizado e bem informado sobre os assuntos da Igreja. Por isso, ele teve que sair do deserto algumas vezes.

Ele foi para Alexandria duas vezes: uma em 311 e outra em 335. A primeira, para animar a fé e confortar os cristãos da grande cidade perseguidos pelo imperador romano Diocleciano. A segunda, para defender um discípulo seu chamado Atanásio, o bispo da cidade, que estava sendo vítima de perseguição e calunia por parte dos arianos. Além disso, ele exortou os cristãos de Alexandria a se manterem fiéis ao Concílio de Nicéia, ocorrido em 325.

Santo Antão viveu 105 anos. Passou a maior parte de sua vida no deserto. Mesmo assim, tornou-se uma das pessoas mais influentes de seu tempo. Governantes e dirigentes religiosos procuravam-no para pedir orientação.

A vida de Santo Antão nos ensina que a maior fonte de sabedoria é o contato verdadeiro com Deus na oração. Quanto temos isso, tudo o mais nos é dado por acréscimo.

Que Santo Antão interceda por nós a graça de uma verdadeira e profunda oração. Amém.

Medalha de São José        Medalha de São José        Medalha de São José

 


 

Vicente AbreuDiretor de programa e roteirista na Tv seculo 21.
Criação, roteiro e direção,  dramaturgia e  campanhas.
Ensino superior: PUCCamp Campinas Filosofia e Teologia
Google Plus
Share Button

2 Respostas para Santo Antão

  1. gostei muito dessa linda mudança de vida . quem sou eu para dizer gostaria de ser como ele. não gosto de viver . no mundo de mentiras e por puro obrigação uma vida materialista

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campos com * são obrigatórios