Imaculada Conceição

Hoje a Igreja comemora uma festa muito diferente. Não é um aniversário de nascimento, nem data de morte de um santo. É aniversário de uma “Concepção”.

A palavra “Conceição” vem do português arcaico e significa “concepção”, abrangendo o sentido biológico e transcendente do termo.

Hoje, 8 de dezembro, comemoramos o dia em que a Virgem Maria foi concebida no ventre de sua mãe, Santa Ana. Trata-se de uma festa muito significativa e que traz muitos ensinamentos para nós.

A palavra “Imaculada” significa “sem mancha”. Portanto, celebramos a festa da Concepção de Maria que, por sua vez, foi concebida sem a mancha do pecado original.

A expressão “pecado original” é muito mal entendida. A princípio, pode dar a entender que todo ser humano nasce com uma culpa, como se já tivesse cometido algum pecado antes de nascer ou ao nascer. Mas não é isso. O pecado original, na verdade, significa que todos nós herdamos a tendência para o pecado que nossos pais carregam.

A Sagrada escritura nos dá algumas passagens confirmando a má tendência do ser humano para o pecado: “Com efeito, todos pecaram e todos estão privados da glória de Deus.” (Romanos 3,23). “Quem não tiver pecado, atire a primeira pedra.” (João 8, 7).”

Esta é uma grande verdade: o ser humano carrega uma tendência para o pecado, para o mal desde o seu nascimento. É por isso que educamos nossos filhos. Se eles ficarem sem educação, entregues a eles mesmos e às suas tendências, logo se tornarão delinquentes. E, mesmo com toda a educação que conseguimos passar para eles, eles também vão pecar. Isso acontece porque temos uma tendência para o pecado, para o mal e é preciso lutar contra ela.

No dia de hoje, porém, comemoramos alguém que nasceu livre dessa tendência para o mal: Maria, a Mãe de Jesus. Por isso ela é chamada de Imaculada Conceição, ou seja: Concebida sem pecado.

Ela nasceu livre da tendência para o pecado e cheia da graça de Deus. Tanto que o anjo Gabriel a saudou dizendo: “Ave Maria, cheia de graça! O Senhor está contigo!” (Lucas 1, 28).

A definição do dogma da Imaculada Conceição é um grande ensinamento sobre essa verdade de fé. No dia 8 de dezembro de 1854 o Papa Pio IX proclamou o dogma com as seguintes palavras:

“… declaramos, pronunciamos e definimos a doutrina que sustenta que a beatíssima Virgem Maria, no primeiro instante de sua conceição, por singular graça e privilégio de Deus onipotente, em vista dos méritos de Jesus Cristo, Salvador do gênero humano, foi preservada imune de toda mancha de pecado original. Essa doutrina foi revelada por Deus e, portanto, deve ser sólida e constantemente crida por todos os fiéis”.

A Igreja, porém, não exalta a Imaculada Concepção de Maria simplesmente por exaltá-la. Ela a exalta porque o “estado de graça” com que a Virgem Maria nasceu e viveu deve ser o objetivo de vida de todos nós, que nascemos “com a mancha do pecado original”. Esta, na verdade, é a luta de todo o cristão: a luta contra si mesmo, contra as próprias más tendências. Esta, afinal, é a maior de todas as batalhas.
Quando participamos dos sacramentos, principalmente o da confissão, nossa alma fica em estado de graça, livre da mancha do pecado. Conseguir conservar esse estado de graça é missão nossa de cada dia. Porém, é também graça de Deus. Não conseguiremos isso somente com nossos esforços. É preciso a graça de Deus.

Como nossa decisão, esforço e luta, juntamente com a graça de Deus, conseguiremos permanecer na graça.

Que Maria, Mãe, Virgem, Concebida sem pecado interceda por nós a graça maravilhosa de permanecer na graça e na presença de Deus. Amém.

Medalha de São José        Medalha de São José        Medalha de São José

Clique aqui para ver todos os maravilhosos modelos da medalha da Imaculada Conceição!

 


 

Vicente AbreuDiretor de programa e roteirista na Tv seculo 21.
Criação, roteiro e direção,  dramaturgia e  campanhas.
Ensino superior: PUCCamp Campinas Filosofia e Teologia
Google Plus

 

Share Button

Deixe um comentário

Seu email não será publicado. Campos com * são obrigatórios